Em destaque

O blog da Vinícola Família Lemos de Almeida

Bem-vindos à Vila Açoriana

Mergulhe em uma experiência de cores, aromas e sabores.

É com alegria que apresentamos o nosso blog, Vila Açoriana. Aqui você vai encontrar vinhos, artes, receitas, dicas, curiosidades e muito mais envolvendo a cultura lusitana, da qual a nossa família, Lemos de Almeida, descende.

Nos acompanhe e faça uma viagem às nossas origens.

Um terroir considerado a “Borgonha Brasileira”

Rodrigo Ferraz, sommelier e proprietário do clube Vinhos de Bicicleta, explicou em um de seus vídeos recentes, sobre o terroir dos Campos de Cima da Serra. De acordo com ele, as condições climáticas e geográficas de onde estamos localizados, lembram muito a Borgonha Francesa, assim como os vinhos provindos da nossa região: brancos e tintos leves.

Com as temperaturas do dia e da noite sendo mais baixas, o ciclo vegetativo da videira e a maturação dela se torna mais longo, ocasionando em vinhos com propriedades diferenciadas, elegantes, lembrando aos da Borgonha.

Assista ao vídeo do Rodrigo, no canal Vinhos de Bicicleta, para entender mais.

No vídeo, ele ainda apresenta um de nossos vinhos, o Pinot Noir da linha Família Lemos de Almeida, um vinho com 14 meses de passagem em barrica de carvalho.

Um legado centenário

O logo da vinícola é um símbolo da família há mais de 100 anos

Marca gravada na madeira. Foto: Taís Carpeggiani

Perguntado por muitos, o significado do logo da vinícola é uma herança que vem do amor pela terra.

Utilizado principalmente em nossos rótulos, esse logo na verdade é uma marca de gado histórica. Há mais ou menos 100 anos atrás, o ancestral da família, Hermes Pacheco Lemos, fundou uma fazenda pecuária, em Lagoa Vermelha e, criou a marca como forma de identificar o proprietário do animal. Suas iniciais, HPL, deram forma ao logotipo.

Anos mais tarde, Hermes doou a marca para o sobrinho Hugo Lemos, o pai do Sr. Agamenon. Ele então, a trouxe para Vacaria para se tornar o símbolo da Fazenda Santa Rita. Desse vínculo familiar com a terra, as iniciais de Hermes continuam seu legado até hoje, como logo da Vinícola Família Lemos de Almeida.

Lançamento de novos vinhos da Vinícola Família Lemos de Almeida

As variedades Merlot e Pinot Noir complementam a linha de vinhos com passagem em barricas de carvalho

A linha de vinhos Família Lemos de Almeida conta com produtos sofisticados, com maturação em barrica de carvalho. A linha é apresentada no total por três variedades. O Chardonnay safra 2016 com passagem de 12 meses em barrica de carvalho francês, que já estava disponível para vendas anteriormente. Agora a vinícola apresenta o novo Merlot safra 2017, com 24 meses em barricas de carvalho americano e francês e, o Pinot Noir 2019, com passagem de 14 meses em barricas de carvalho francês, de segundo uso.

Linha Família Lemos de Alemeia, Merlot

O Merlot 2017 é um vinho encorpado, com taninos macios e acidez moderada, o que dá equilíbrio à bebida. Apresenta coloração rubi com tons violáceos e, o aroma é complexo e intenso de frutas vermelhas maduras, com notas de carvalho, como caramelo, cacau, café e baunilha.

Já o Pinot Noir 2019 se mostra jovem, harmonioso, de médio corpo e com taninos suaves e elegantes. Sua cor é vermelho granada de média intensidade, com aroma complexo e fino de frutas vermelhas maduras, como cereja e morango, além de toques florais de rosas, menta e especiarias como o cravo.

Pinot Noir Família Lemos de Almeida

Com esses dois lançamentos, a vinícola completa a linha dos vinhos embarricados, com rótulos novos. Para adquirir é só entrar em contato com a Loja da Vinícola Família Lemos de Almeida pelo telefone (54) 3232.0563 ou pelo Whatsapp (54) 99707.3460.

Conheça o novo Chardonnay e Sauvignon Blanc Nobre da Vinícola Família Lemos de Almeida

Novidades que chegam para completar a linha Capella dos Campos.

A safra de 2020, considerada a safra das safras foi um momento ímpar no ano de 2020. Os índices mais baixos de chuvas foram determinantes para amadurecer as uvas de maneira uniforme, proporcionando uma colheita com plena maturação. E para brindar esta safra maravilhosa, a Vinícola Família Lemos de Almeida apresenta seus lançamentos:

O Sauvignon Blanc Capella dos Campos, que ficou entre os 16 vinhos mais representativos da Safra de 2020 na Avaliação Nacional de Vinhos, evento online que aconteceu em novembro de 2020 e foi transmitido ao vivo pelos canais da Associação Brasileira de Enologia ABE. Como a safra de 2020 é considerada a “safra das safras”, principalmente pela qualidade e o grau de açúcar das uvas, consequentemente o teor alcoólico dos vinhos foram maiores. Com isso o Sauvignon Blanc foi um dos vinhos que atingiu graduação alcoólica de 14,5% em volume, se tornando assim um vinho nobre.

O vinho branco Chardonnay é o mais novo integrante da linha Capella dos Campos, que é uma referência à capela que faz parte da Vila Açoriana, localizada na fazenda da Família Lemos de Almeida e, por estar localizada nos Campos de Cima da Serra. A linha Capella dos Campos substitui definitivamente a linha Fazenda Santa Rita.

Ainda desta safra de 2020 descata-se o Verdelho, que também pertence à linha Capella dos Campos é uma das quatro castas portuguesas que compõem essa linha.

Já em vendas, os produtos completam a linha Capella dos Campos, que agora conta com 11 rótulos: as castas portuguesas, Alvarinho, Verdelho, Tinta Roriz e Touriga Nacional, as castas francesas Chardonnay, Merlot, Merlot Rosé Nobre, Pinot Noir, Sauvignon Blanc Nobre e os vinhos de corte Nove Ilhas Branco e Nove Ilhas Tinto. Para adquirir é só entrar em contato com a Loja da Vinícola Família Lemos de Almeida
pelo telefone (54) 3232.0563 ou pelo whatsapp (54) 99707.3460.

A ilha de São Miguel

São Miguel é a maior das nove ilhas açorianas e onde se concentra a maior parte da população. Dos 250 mil habitantes, 140 mil vivem em São Miguel. É a mais estruturada das ilhas e é a principal escolha dos turistas, isso porque o acesso é mais fácil e ali você consegue ver um pouco de tudo que os Açores tem para oferecer.

Foto: Reprodução

Um roteiro para visitar São Miguel inclui visita a vulcões, banhos nas águas termais, mais de 25 opções de trilhas com diferentes graus de dificuldade, ou simplesmente andar por ai de carro ao longo dos 64km de comprimento e 14km de largura, já que o contraste do azul do mar com o verde das montanhas é um colírio para os olhos.

Foto: Reprodução

Para visitar, qualquer época do ano é aconselhável, já que a temperatura média fica em torno de 15 graus no inverno e 22 graus no verão. Mas é comum ter chuva e sol no mesmo dia, então é preciso estar preparado para qualquer situação.

Foto: Reprodução

Para saber mais, acesse este post do blog História, Viagens e Livros.

As nove ilhas Açorianas

Açores é na verdade um arquipélago formado por nove ilhas, pertencentes à Portugal. O arquipélago fica a uma distância de 1400km de Lisboa e 2000km da costa Canadense. É possível chegar lá de avião, com partidas da Europa, Estados Unidos e Canadá. Ou então de navio, há diversos cruzeiros que param no arquipélago para visitar as paisagens vulcânicas de tirar o fôlego.

Ilha de São Miguel. Foto: Reprodução

As ilhas são um lugar onde a temperatura é sempre agradável, parecendo um pouco com os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A culinária regional é ótima e diferenciada e povo é acolhedor. Sem falar que há águas termais que “curam”.

Ilha de Santa Maria. Foto: Reprodução

O arquipélago, formado pelas ilhas São Miguel, Santa Maria, Terceira, Faial, Pico, São Jorge, Graciosa, Flores e Corvo, foi o que inspirou o vinho de corte da Vinícola Família Lemos de Almeida. Produzido com as castas portuguesas Touriga Nacional e Tinta Roriz e mais o Merlot, o vinho Capella dos Campos Nove Ilhas homenageia essas ilhas açorianas, que fazem parte da tradição da família Lemos de Almeida.

Vinho Capella dos Campos Nove Ilhas. Foto: Phototraço

Acompanhem o nosso blog que nas próximas semanas vamos apresentar todas as nove ilhas.

Uva Verdelho

O ano era 2016, a Vinícola já estava estabelecida como uma boa produtora de uva e vinho. Mas, para completar a sua proposta de um turismo completamente sensorial na cultura Açoriana, nesse ano a Vinícola Família Lemos de Almeida começa o plantio de castas portuguesas. Dentre as quatro novas variedades cultivadas, hoje falaremos sobre a uva Verdelho.

Uva Verdelho

A história dessa uva portuguesa remonta ao século XV e foi a uva mais plantada na Ilha da Madeira, Portugal, durante o século XIX. No vinhedo, Verdelho apresenta cachos pequenos e compactos, compostos por bagos miúdo de cor verde amarelada, com notável acidez e razoável açúcar.

O vinho é caracterizado como aromático e equilibrado, possui coloração amarelo palha com reflexos esverdeados. Pode ser harmonizado com frutos do mar como o bacalhau, salmão, ostras e vieiras.

Vinho fino branco seco Verdelho – Capella dos Campos

O Capella dos Campos Verdelho é um vinho inédito no Brasil, por ser unicamente da casta Verdelho. Há outros vinhos brasileiros que usam essa uva, mas geralmente são vinhos de corte.

Pinot Noir premiado

Na 2ª edição da feira Wine South America, ocorrida entre os dias 25 e 27 de setembro, em Bento Gonçalves, o nosso vinho Pinot Noir foi premiado no 1º Concurso 10 Star Wine, que elegeu pela qualidade e variedade os melhores vinhos expostos na feira, em diversas categorias.

O Vinho Tinto Seco Fino Pinot Noir Fazenda Santa Rita 2017 foi o vencedor da categoria Vinho Tinto Brasileiro. Esse é um vinho perfeitamente equilibrado entre a acidez e o sabor de fruta fresca, possui coloração vermelho granada, com aroma de média intensidade que lembra pimenta preta, canela, eucalipto, caramelo e menta. É um vinho leve com médio volume, apresenta taninos elegantes com boa persistência.

Calçada de pedras portuguesas

Em alguns pontos, você pode encontrar na nossa vinícola, esta calçada:

Calçada encontrada no paradoura da nossa Vila Açoriana. Foto: Artur Alexandre

Você deve estar pensando: “eu já vi isso em algum lugar”. E podemos afirmar que sim. Esse é o mesmo desenho do famoso Calçadão de Copacabana, no Rio de Janeiro.

Calçadão de Copacabana. Foto: Reprodução

Esse desenho da calçada é baseado no piso da Praça do Rossio em Lisboa, que representa o encontro das águas doces do Rio Tejo com o Oceano Atlântico. Nessa mesma praça se encontra uma estátua de D. Pedro I. As pedras utilizadas para formar o desenho são a calcita branca e o basalto negro, chamadas de pedras portuguesas.

Praça do Rossio, Lisboa. Foto: Reprodução

E, de acordo com nossas origens lusitanas, nada melhor do que ter algo tão característico na nossa Vila Açoriana. A calçada acompanha o prédio da vinícola, o paradouro e o moinho, e também, o pórtico na entrada da propriedade.

Paradouro e Moinho da nossa Vila Açoriana. Foto: Artur Alexandre
Calçada que contorna o prédio da vinícola. Foto: Artur Alexandre

Para conhecer, você pode reservar a sua visita que vai acontecer no dia 07 de setembro, pelo nosso site.

O Azulejo Português

Os azulejos são uma parte marcante de Portugal e, ainda, contam a sua história. Podem ser encontrados em estações de trem, igrejas, conventos, casas, palácios, jardins, monumentos e em qualquer lugar que você possa imaginar, sendo a marca registrada do país. Os primeiros azulejos foram importados pelo rei D. Manuel I, em uma de suas viagens à Espanha, em 1498, para decorar as paredes do seu palácio, o Palácio Nacional de Sintra.

Painel localizado no Mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa.

A forma mais utilizada para decorar os azulejos foram as aplicações em azul sobre o fundo branco. Esse tipo de aplicação permitia que a pintura ficasse concentrada, evidenciando o valor e a qualidade do traço. As artes reproduzidas retratam contextos do quotidiano cortesão, episódios bíblicos e momentos da fase dos Descobrimentos. Aqui no Brasil, ainda há resquícios da arte em azulejos trazidos pelos colonizadores, como pode ser visto em Salvador, BA, na Igreja da Ordem Terceira de São Francisco de Salvador ou na Igreja da Boa Viagem; em Campinas, SP, no Palácio dos Azulejos (eventual Museu da Imagem e do Som), no Rio de Janeiro, RJ, na Igreja do Outeiro da Glória.

Arte encontrada na Igreja da Boa Viagem, em Salvador, BA

No entanto, como uma forma de preservar a cultura e valorizar essa forma de arte, a nossa vinícola conta com mais de 20 painéis de azulejo do artista Jesus Lima Fernandes, que utiliza a técnica milenar portuguesa. Os painéis possuem temas religiosos, como a Santa Rita de Cássia, padroeira da fazenda em que está instalada a Vila Açoriana; e, também, temas relacionados à colonização, à vinícola e à história do vinho.

Mais do que um elemento decorativo ou um ornamento, o azulejo significa uma extensão da caminhada artística e criativa de um país, a qual pode ser observado em nossa Vila Açoriana como uma homenagem ao nosso passado.

Fonte: A história do azulejo português

Azulejo Português

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora